22 jul 2020

Cuidando de si e de quem está ao seu lado

Período de instabilidade reforça importância da boa convivência e dos cuidados físicos e mentais

O foco mundial está voltado para apenas um assunto: Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

Esperançosos ou pessimistas, todos pensam e agem em função da pandemia. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o medo da contaminação e a preocupação com parentes e finanças, somado à necessidade de isolamento social podem ser nocivos à saúde emocional, podendo levar, inclusive, a quadros de ansiedade e depressão.

Enquanto cientistas e pesquisadores buscam meios para controlar o contágio e tentam criar vacinas, a população mundial tenta reinventar as interações sociais enquanto busca, também, novas ferramentas de self care. Nesse sentido, psicólogos e terapeutas lembram que o lar deve ser um ambiente de paz e harmonia e, principalmente, que é preciso redobrar o cuidado próprio e ser empático, respeitando os espaços de convivência e propagando pensamentos positivos, responsáveis e amorosos.

“É um período em que várias coisas estão fora do nosso controle, mas, por outro lado, podemos fazer o que está a nosso alcance, como seguir uma rotina minimamente organizada para que não fiquemos com a sensação de vazio.

Samuel Silva recomenda ser solidário, manter rotina e filtrar informações

Ser solidário e cooperativo no dia a dia, acolhendo sentimentos de quem você se relaciona, estando atento para não colocar sua saúde e  dos demais em risco, compartilhar boas iniciativas nas redes sociais e filtrar melhor a quantidade e a qualidade de informações”, recomenda Samuel Silva, psicólogo e terapeuta comportamental.

Samuel ressalta que é muito importante manter contato afetivo com as pessoas próximas e usar a tecnologia a seu favor, seja para se comunicar com essas pessoas ou para interagir de outras formas. Quem também recomenda utilizar a tecnologia para auxiliar na saúde mental e física é a OMS. Atualmente, diversas plataformas disponibilizam exercícios de meditação guiada, yoga e atividades físicas.

Trabalhando em casa há mais de um mês, a jornalista Letícia Raquel, de 34 anos, afirma que tem balanceado a rotina de casa e trabalho com autocuidado. Durante a quarentena, ela passou a usar o aplicativo Insight Timer, uma ferramenta de meditação guiada que direciona o relaxamento, a concentração e a respiração de acordo com a necessidade do usuário.

“O app permite a escolha por tema, ou seja, posso optar por fazer uma meditação ao acordar, durante o expediente ou antes de dormir. E há, ainda, uma prática específica para as pessoas que estão preocupadas com o avanço do coronavírus.

Como não era um hábito, comecei pelo nível de principiantes, mas pessoas experientes também conseguem usar”, explica Letícia, que também faz o uso do Queima Diária, uma plataforma de exercícios físicos domésticos.

“CRIAR MOMENTOS EM FAMÍLIA TAMBÉM É IMPORTANTE, MAS SEMPRE LEMBRANDO DE NÃO SOBRECARREGAR NINGUÉM” – Enylda Motta, psicóloga

Enylda Motta, psicóloga

CONVIVÊNCIA FAMILIAR

O impacto da pandemia e das medidas necessárias para conter o avanço da doença implica, também, em mudanças nos relacionamentos, já que o confinamento impõe a permanência em casa 24 horas por dia e 7 dias por semana, tornando a convivência ainda mais desafiadora.

A psicóloga e sexóloga Enylda Motta, pós-graduada em psicoterapia de família e casal, indica que o investimento no diálogo se torna mais do que necessário neste período. “Isso favorece o crescimento familiar e está relacionado a respeito, interações e limite, que se faz necessário para que não haja invasão de privacidade.Criar momentos em família como jogos, dinâmicas em grupo e jantares também é importante, mas sempre lembrando de não sobrecarregar ninguém e, sim, dividir os afazeres da casa”, recomenda.

Por isso, Letícia e o namorado Yunus Naqvi, que é engenheiro e com quem ela divide o apartamento, têm reforçado práticas importantes de convivência. “Temos tido muita sensibilidade um com o outro, exercendo a percepção de ver quem está mais apto a ajudar no momento.

Quem está com a melhor condição reage com bom humor, otimismo, palavras de conforto e boas atitudes. Práticas simples como pedir um delivery, chamar para assistir um filme ou cozinhar juntos um prato predileto fazem a diferença. Essa troca é muito importante”,finaliza. vb

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *